📱 NOTÍCIAS: faça parte do canal do SERGIPE HOJE no WhatsApp.

Instigados pelo número de mortes em toda a Nova Zelândia, onde apenas 26 pessoas morreram desde o surgimento da pandemia, 4 economistas brasileiros realizaram uma investigação minuciosa.

E o resultado do estudo “Sob pressão: a liderança das mulheres durante a crise da Covid-19″, oferece a primeira evidência de que ter mulheres no poder durante a pandemia, ajudaram a salvar mais vidas do que ter um homem na cadeira.

“A gente decidiu investigar se ter uma mulher na gestão da crise sanitária poderia levar a uma diferença das políticas públicas adotadas e causar desfechos melhores do que ter um homem nessa mesma função”, explicou o economista Raphael Bruce.

A pesquisa foi divulgada
pelo Jornal Folha de São Paulo nessa segunda-feira -feira, 19.

O estudo nos remete automaticamente para o município de Lagarto. Onde a sua gestora, Hilda Ribeiro, não sentou para esperar a disseminação da doença.

Desde o surgimento dos primeiros casos no Estado, em março de 2020, a chefe do Executivo já mobilizava toda a Administração em uma reunião de emergência para as principais medidas de segurança no município.

Brigadas itinerantes eram criadas em Abril, orientações foram levadas até a população, além da Sanitização, que desde então segue ocorrendo quinzenalmente nos espaços públicos do centro comercial.

A Saúde, que também é gerida por uma mulher, se mobilizou, conscientizou e agiu. Distribuiu kits de higiene, máscaras de proteção, realizando barreiras sanitárias e sobretudo, os testes rápidos e atendimentos com plantões nos postos, de domingo a domingo.

Num espaço de 12 meses foram revitalizados e reformados 20 unidades, postos e pontos de apoio da saúde nos quatro cantos do município.

Todos os Decretos Governamentais, especificamente os que determinavam as restrições ao comércio, serviços e lazer foram obedecidos regiamente pela Gestão e pela população que também fez a sua parte. Pouquíssimos foram os registros de festas clandestinas ou de grandes aglomerações.

Vale destacar que a Sec. de Assistência Social foi modelo para várias cidades como uma das maiores aliadas da população mais necessitada. Foram distribuídos, desde o inicio da crise, mais de 300 toneladas de alimentos convertidos em cestas básicas, que chegaram aos 119 povoados, além da sede e 36 assentamentos agrários.

O Programa “Renda Cidadã Lagartense” um auxilio mensal no valor de R$ 110, foi ampliado e hoje beneficia mais de 950 famílias, incluindo trabalhadores informais, taxistas mototaxistas e artistas que ficaram impedidos de trabalhar durante a pandemia.

E quando a vacina era aguardada pelo planeta, no dia 28 de Dezembro a Prefeitura se tornava pioneira no Estado, lançando o Plano Municipal de Operacionalização da Vacinação. Ação que vem sendo cumprida com muita organização e seriedade, avançando a cada novo lote de imunizantes que chega na cidade.

Neste momento o município está aplicando a 1ª dose nos grupos entre 33-34 anos. E a 2ª dose não falta nos postos.

Dados atualizados

Desde o início da pandemia até a data desta publicação, (20 de julho de 2021) o município de Lagarto, com população atualmente estimada em 108 mil habitantes, teve 7.665 casos confirmados e 213 óbitos. Mais de 46 mil cidadãos já receberam pelo menos uma dose da vacina.